Rosalbismo tenta mais maldades contra a população mossoroense

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Se não bastasse terem passado 70 anos maltratando as famílias mossoroenses, que os acolheram tão bem desde que aqui se instalaram, eis que passados 5 meses que se acham fora do poder e o grupo rosalbista reage contra o povo. Usa sua assessoria para criar fake news e desta forma, amedrontar aqueles menos informados. Tem se tornado a preocupação principal dos asseclas da ex-prefeita, derrotada em 15 de novembro de 2020. O denominado pela ex-gestora como ‘menino pobrezinho’, à frente dos destinos da municipalidade desde 1º de janeiro deste ano e, pelo tamanho da gestão desempenhada até agora, causa transtornos, pesadelos, perante aqueles que foram expulsos do Palácio da Resistência pela livre vontade da maioria do povo mossoroense. A ‘imprensa rosalbista’ tem procurado de todas as formas desqualificar a administração transparente hoje a acontecer em Mossoró. Os poucos profissionais da comunicação social ainda a se aquartelar sob as hostis da ex-prefeita, não têm cuidado de outra coisa, a não ser inventar notícias falsas e a tentar fazer as pessoas acreditarem. Mas, não tem dado certo.

 

O PREFEITO

Principal alvo deste achaque, ninguém menos que o prefeito Allyson Bezerra, a seguir em frente com seu jeito dinâmico e competente no gerir da coisa pública. E a cada mentira, das mais descabidas possíveis, que conseguem engendrar, imediatamente à tona, vem a realidade dos fatos. Os leva cada vez mais para o fundo do abismo por ele mesmo construído ao longo dos anos. Hão de engolir que Mossoró respira outros ares, o do desenvolvimento.

CRIAÇÃO DE SECRETARIA

O último dos boatos maldosos propalado em Mossoró, o de que nesta quarta-feira, 26, o prefeito teria enviado para a Câmara Municipal de Mossoró (CMM), projeto criando duas novas secretarias de Governo. Demonstrando falta de embasamento dos fatos e ‘falar por falar’, com puro e maldoso propósito de confundir o povo, acabaram por serem “pegos na mentira”. E lembrar que permanecemos durante décadas à mercê do pensar desta gente.

LASTIMÁVEL

É de uma pobreza intelectual e de espírito sem tamanho, uma pessoa passar 5 anos de sua vida nos bancos de uma universidade ou, mesmo com o aprender do dia a dia, no lidar jornalístico e, submeter-se a receber merrecas financeiras para propalar notícias mentirosas. Mostram-se falsos à sua própria personalidade. Vão de encontro ao juramento que fizeram quando daquela bonita solenidade que lhe certificou como pronto a servir o próximo.

NOVOS CARGOS

O que houve na verdade, foi a solicitação para desmembramento de outras pastas, sem a necessidade de onerar gastos ao município. E aí, alguns ‘intelectos’, não tenho dúvidas de que cientes da lei mas, instigados a transformar a verdade em mentira, o que para isto lhes rende ‘tostões’, parte para o que comumente gostamos de dizer; “levantamento de falso”. Profundamente lamentável. São coisas por demais absurdas.

A PERDER

Grandes oportunidades de ficarem calados, no afã de sua ignorância em não conhecer, procurar tomar conhecimento do que vai noticiar e sair a citar impropérios. Já é mais que oportuno acordar para a realidade nova em que Mossoró mergulha. Um tempo de novas realizações. De longe nem pensar no que foi o passado. E fazer informação para o povo, que na posteridade lhe atribua ter sido no passado um grande comunicador social.

ENQUANTO ISTO

Em Brasília, o prefeito Allyson Bezerra tentava recuperar mais de R$ 4 milhões destinados à educação no município e, de forma irresponsável, estas verbas estavam em vias de serem dadas como perdidas. Ao saírem na divulgação destas fake news, na verdade tentaram desviar a atenção das coisas. A secretaria de educação, Hubeônia Alencar, por sua vez, mostra resultados de trabalho e, o quanto Mossoró se encontrava na contramão da história.

O ROMBO DEIXADO

Deveriam explicar para a população, sobre o dinheiro não gastos e que deixaram um rombo milionário nos cofres públicos, para que a gestão atual assumisse. São muitas as dívidas e algumas ainda em aberto. Fruto do mau uso do erário público. O desespero lhes sobe à cabeça e sem lembrar do ‘rabo preso’ que tem, passam a querer denegrir os de índole e capacidade em administrar a máquina pública.

O QUE NÃO É BOM

Para este grupo que só era acostumado ao poder, dizer-se como séria, e a população era obrigada a aceitar pois, quem não rezasse na cartilha deles era de imediato convidado a se retirar. Tinha de ser do jeito que se achavam, os donos de Mossoró. Era de certo não se preocupar com vereador pois, tinham o que quisessem. E ver tudo mudado, aí está incomodando. Há de se entender porém que o município se encontra ainda no primeiro ano de mandato.

A REVOLTA

Ferve nos nervos, só de assistir a um município, com porte do segundo maior do Estado, sendo capitaneado em sua função de administrar, por um jovem com apenas 29 anos de idade, recém chegado à vida pública e destronado uma oligarquia predominante a há mais de anos em Mossoró. Realmente é de mexer com os neurônios de qualquer ente e, fazer sofrer ainda mais aqueles que sempre se achegaram ao ‘quanto pior melhor’, para os outros.

POR FIM

É aceitarem ser perdedor, que quem dá, também espera receber. Explico: Os mossoroenses tiveram toda a paciência do mundo, acreditaram o quanto puderam nas promessas de mudança, de que “neste mandato tudo vai dar certo”, “que adoro Mossoró e vou fazer de tudo por ela” e, ao final de cada 4 anos, os problemas cada vez mais se avolumando . Ainda por cima, uns a cada dia enricando às custas de outros, da mesma forma empobrecendo. Basta.

ALLYSON BEZERRA

Enquanto a oposição desesperada tentava atingi-lo, caminhava em Brasília na busca de melhorias para o município de Mossoró. Acompanhado da secretária de educação Hubeônia Alencar, trabalhava no destrave de obstáculos deixados ou causados pela gestão passada. Longe, no entanto, de dar ouvidos ao que naquele intervalo de tempo, a ‘oposição fragmentada’, tentava fazer na cidade, o que sempre lhe foi peculiar, espalhar más notícias. Desempenhar – a antes fortuita e agora em final de carreira -, labuta que é sempre dar o pouco de si para que a nossa população continue no ostracismo. E por mais que ‘apanhem’, com a verdade sempre a aparecer e apagar as palavras e ou escritas por parte deles, não conseguem se desvencilhar do pesadelo, o primeiro na noite do dia 15 novembro de 2020, logo após aberto às urnas de Mossoró e conhecido o resultado das eleições e, agora, de forma cotidiana, quase todo dia as notícias de que o município ganha um novo benefício, que o prefeito é referência administrativa para o País. Não acreditam, nunca mais poder ser gestão, poder.

 

POR: Rede News 360