Estados ficam mais lentos e levam 20,8 dias em média para aplicar vacinas

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Os municípios brasileiros levam, em média, 20,8 dias para aplicar vacinas contra a covid-19 já distribuídas aos Estados pelo governo federal. Esse é o tempo que se passa do momento que as doses são entregues aos Estados até a aplicação nos municípios.

O período considerado foi de 1º de março de 2021 até 24 de maio de 2021.

O processo ficou mais lento. Até 15 de abril, a média de tempo do envio das doses até a aplicação da vacina era de 18,8 dias. Houve aumento de 2 dias na média.

As informações de distribuição de doses do painel Localiza SUS, do governo federal, e da plataforma coronavirusbra1, que reúnem o número de aplicações divulgadas pelas secretarias estaduais.

Primeiro, verificou-se o total de doses distribuídas em cada uma das datas desse período. Depois, foi calculado quanto tempo levou para que o acumulado de doses recebidas em cada dia fosse aplicado. O cálculo de 20,8 dias é uma média.

Em 29 de abril, o governo federal tinha distribuído 62,8 milhões de doses aos Estados desde o começo da pandemia. Essas 62,8 milhões de vacinas só foram completamente aplicadas em 24 de maio, segundo os números informados pelas Secretarias estaduais da Saúde. São 25 dias de diferença.

VACINAÇÃO FICOU MAIS LENTA

Em 16 de abril, o Poder360 mostrou que a média nacional era de 17,8 dias do envio até a aplicação dos imunizantes. Só que o governo federal alterou números de distribuição de vacinas na sua base de dados. Por isso, refazendo o levantamento, agora se chega à conclusão de que o tempo médio do momento da distribuição à aplicação passou de 18,8 dias naquela data de abril para os 20,8 dias atuais.

Em 21 de março, o Ministério da Saúde, comandado na época por Eduardo Pazuello, orientou os Estados a não reservar a 2ª dose. Todas as doses deveriam ser para “utilização imediata“.

Em 26 de abril, o ministro Queiroga disse em comissão do Senado que os Estados deveriam guardar parte do estoque para as segundas aplicações. Isso foi reforçado nas notas técnicas que o ministério passa aos governos estaduais ao distribuir as doses. Ou seja, há vacinas enviadas ao interior do país, mas estocadas para quando chegar a hora da 2ª dose, o que pode ter feito a ritmo da vacinação ficar mais lento.

RORAIMA, AMAZONAS E ACRE SÃO OS MAIS LENTOS

Os 3 Estados demoram, em média, mais de 40 dias para aplicar as doses que haviam sido entregues. A média de Roraima e do Amazonas é mais que o dobro da média nacional.

Os governos desses Estados afirmaram ao Poder360 que há obstáculos na logística para enviar vacinas às comunidades de difícil acesso e falta infraestrutura –como acesso à internet– para informar os dados com mais agilidade.

O Mato Grosso do Sul é o único Estado que, em média, levou menos de duas semanas entre a chegada das vacinas e a aplicação total pelos municípios. A média é de 12,9 dias.

70% DAS VACINAS APLICADAS

O governo federal havia entregue até 24 de abril 90,7 milhões de doses de vacinas da covid-19 aos Estados, que ficam responsáveis por repassar as doses para as cidades.

As Secretarias estaduais da Saúde informaram a aplicação de 63,5 milhões de vacinas até a data. O número representa 70% das doses distribuídas. Dessa forma, a cada 10 doses entregues, 3 ainda não foram aplicadas.

O Estado que mais aplicou o total de doses recebidas foi o Mato Grosso do Sul. Foram usadas 88% das doses em estoque.

O Rio de Janeiro é o Estado que menos usou as vacinas que recebeu. Só usou 48% das doses disponíveis.