Câmara enterra voto impresso e derrota Jair Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta terça-feira,10, a PEC (proposta de emenda à Constituição) 135 de 2019, que determina a impressão dos votos das urnas eletrônicas. Trata-se de uma derrota para o presidente da República, Jair Bolsonaro. Ele chegou a dizer que a realização de eleições em 2022 estava condicionada à volta das cédulas de papel.

Ele também entrou em atrito com autoridades como o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luis Roberto Barroso, defensor das urnas eletrônicas usadas atualmente. Chegou a chamá-lo de “filho da puta“. Bolsonaristas atribuem ao ministro pressão para que deputados rejeitassem a proposta.

Foram 218 votos contra, 229 a favor e uma abstenção. PECs, como a do voto impressão, só são aprovadas se tiverem o apoio de ao menos 308 deputados em 2 turnos. Quando o número não é atingido na 1ª rodada, não é necessária nova votação.

“A democracia do plenário dessa casa deu uma resposta a esse assunto. E, na Câmara, espero que esse assunto esteja definitivamente encerrado”, declarou o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL) , ao proclamar o resultado.

Ele decidiu levar a proposta para plenário mesmo depois de o texto ser derrotado na comissão especial. Seu intuito foi encerrar o assunto com uma decisão mais ampla da Casa, para evitar que a decisão de uma comissão pudesse ser contestada pela opinião pública. É incomum esse tipo de projeto chegar à votação final depois de ser rejeitado na comissão especial, etapa anterior…

DEPUTADOS DO RN

No Rio Grande do Norte, a maioria dos deputados federais votou contra a proposta defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).